11 2207 77770800 774 4110

Av Carlos de Campos, 536 - Pari - São Paulo - SP - 02063-000

Blog


 O projeto teve início em abril de 2020 e pode ser acessado por todos os colaboradores de qualquer unidade do grupo sem nenhum custo
 
Desde o início da pior crise sanitária mundial, a sociedade se viu obrigada a se adaptar a uma nova rotina, especialmente os profissionais de saúde que atuam na linha de frente contra a Covid-19 e precisam lidar no dia a dia com mortes, luto, pânico e dúvidas quanto ao futuro. O Grupo Vidas, consciente de suas responsabilidades sociais, agiu rapidamente para minimizar esses impactos e fomentar a saúde, segurança e qualidade de vida das equipes criando um projeto que tem como prioridade garantir suporte psicológico gratuito a todos os funcionários.
 
De acordo com o psicólogo Douglas Braga, que faz parte da coordenação desse trabalho, um dos maiores benefícios é fazer com que os funcionários tenham um espaço para serem ouvidos. “Cuidar de quem está cuidando das pessoas é um processo extremamente necessário e criar essa cultura de bem-estar dos profissionais faz com que pensemos em longo prazo na humanização dos processos. Afinal, faz sentido cuidar de quem cuida do seu negócio.”
 
O especialista ainda ressalta que é importante que os profissionais reflitam sobre a melhor forma de passarem por esse período que desperta variados sentimentos e que a todo momento são potencializados como o medo, a solidão e a angústia. Braga relata que sua participação no projeto inicialmente era apenas acompanhando as reuniões online. No entanto, no decorrer do programa, perceberam que o atendimento clínico poderia surtir resultados que se ajustassem melhor às demandas de forma individualizada daquele momento.
 
“Essa experiência traz uma possibilidade de atuação do psicólogo em organizações de uma forma diferente da tradicional, ouvir as pessoas, entender suas aflições e tornar o ambiente corporativo mais humanizado. Para além do vírus, estamos vivendo uma forma indireta de contaminação: a exaustão, todos trabalham em uma carga horária diferente do habitual e com uma pressão de salvar vidas muito diferente do cotidiano.”
 
Por fim, o psicólogo reforça que é preciso compreender a relação empática para além das regras. “Ao pensar em suporte emocional, precisamos entender que no contexto pandêmico a possibilidade de sermos somente profissionais é nula, estamos nos readaptando a comportamentos que irão influenciar na dinâmica das relações interpessoais dentro da empresa, já que muitos perderam seus entes queridos todos perderam pessoas, enfrentam o medo e estão mais limitados e envolvidos emocionalmente com os clientes.”
« Voltar